domingo, 25 de junho de 2017

Trail de Sesimbra, sensações fantásticas e...uma abelha...

04.06.2017

No inicio do mês fomos até Sesimbra para o nosso regresso a provas de trilhos. E que regresso!!!

Estava um dia ameno mas mais para o quente. O vento fazia sentir-se e durante a prova faria sentir-se em força nalgumas zonas como a da pedreira.

Temos andado a treinar bem e a sentir-nos bem, por isso esperávamos que isso se fizesse notar nesta prova. 

Tal como há dois anos, a prova começou junto à Praia da Califórnia e os 2/3 primeiros km's são em estrada e planos, bons para aquecer. Rolámos bem logo aqui e quando chegámos à primeira subida caminhámos mas numa passada rápida que até nos permitiu ultrapassar algumas pessoas.  

Antes da prova.

E então surgiu a primeira grande subida da prova, aquela que já é mítica e que mete logo algum respeito. Este era o nosso primeiro grande teste para percebermos se o treino que temos feito de subidas estaria a ter algum resultado.


Sim, é mesmo por ali acima!
E esta é a fila de espera na descida...
Mas a paisagem que se avista da fila de espera
faz compensar tudo :)

Quando chegámos lá abaixo e olhámos lá para cima...aiai...não ia ser fácil...
Mas nós tínhamos um objectivo em mente. Subir a caminhar claro, mas sem paragens, sempre a subir! Bora lá!!!! Sentia-me cheia de garra e cheia de força como nunca antes me senti numa prova de trilhos. Foi fantástico! Conseguimos nunca parar, foi sempre por ali acima e até ultrapassámos algumas pessoas!!!! Desculpem o entusiasmo mas isto é quase algo inédito, nós a ultrapassarmos pessoas em subidas! Em trilhos!

Cheguei lá acima com os bofes de fora mas pronta para correr pois já era plano. Neste momento sentia-me com a adrenalina em alta e queria continuar assim.

Corremos em zona com muita vegetação rasteira junto ao mar e depois surgiu outra subida. Siga!!!! Novamente sem parar uma única vez :)

Lá no cimo mais uma corridita e chegámos ao abastecimento. Normalmente em trail somos dos últimos, mas naquele dia íamos no meio do pelotão, com muita gente à nossa volta. Sentia-me mesmo bem! 

Junto à pedreira havia muito vento e levámos com algum pó e areia em cima.
Depois da pedreira era sempre a descer e deu para acelerar bem até Sesimbra. Já sabíamos que vinha aí a famosa subida ao castelo. Foi a única vez que tive que parar um pouco para ganhar fôlego e mesmo assim foram só duas vezes e por poucos segundos. Apesar disto a subida já não nos pareceu tão má como tinha parecido há dois anos. 




Chegados ao 2º abastecimento, já no castelo, aproveitei para comer melancia. Desta vez, e apesar de haver tomate com sal, apetecia-me tanto melancia! E que bem me soube :)

Depois de devidamente abastecidos seguimos rumo à última fase da prova com algum sobe e desce mas já nada de extraordinário. Íamos super bem, cheios de pica e confiantes que iríamos fazer um tempo bem melhor do que nas duas edições anteriores. Quando a certa altura por volta do km 16...

...avistávamos nós o Castelo de Sesimbra ao longe...

...Quando de repente alguém começa a gritar...essa pessoa estava a ser picada por uma abelha numa orelha...e o raio da abelha não a largava...ela berrava...dizia palavrões...essa pessoa era eu...

Doía que se fartava, o Vitor veio logo em meu auxílio, deu um safanão na abelha e ela lá me largou. Mas o mal estava feito, eu já tinha sido picada e o ferrão estava lá, apesar de só nos termos apercebido disso no final da prova. Agora que ela já não estava agarrada à minha orelha não doía tanto mas ainda doía! Seguimos caminho rapidamente pois apercebemo-nos que ali na zona havia um exército de abelhas! Fui perguntando ao Vitor se a minha orelha estava a inchar ou a ficar vermelha mas aparentemente estava estável. Agora já só queria acabar a prova o mais rapidamente possível para confirmar se tinha lá o ferrão e se necessário colocar gelo.

No último abastecimento várias pessoas conversavam e queixavam-se do mesmo, tinham sido picadas por abelhas. Um senhor tinha sido picado em várias zonas do corpo. Porra!

Era altura de descer, descer, descer até à meta, primeiro em single track e mais técnica e depois já em alcatrão. Íamos em bom ritmo (para nós) e mais uma vez ultrapassámos mais alguns atletas.

Quando já íamos com 20 e poucos km's e a menos de 1 km da meta toda eu sorria :)
Em 2014 fizemos 4h15.
Em 2015 melhorámos e conseguimos baixar das 4h, terminando com 3h57m. 
Em 2016 não estivemos presentes.
E este ano...conseguimos baixar das 3h30! Terminámos com 3h22m54s!!!

Para nós isto é muito bom! Foram 21 km fantásticos e de grandes sensações. Nunca me senti assim numa prova de trail! Foi maravilhoso! :)

No final apalpei bem a minha orelha direita e de facto estava lá o ferrão. Dirigi-me à tenda dos bombeiros e eles tiraram-me o ferrão. Segundo nos disserram já era pelo menos a 5ª pessoa a ir ali para tirar ferrões de abelhas. Foi um autêntico ataque em Sesimbra =P.

Depois do banho tomado, fomos deliciar-nos com o saboroso peixinho de Sesimbra :)

Como curiosidade fomos o 309º e o 310º, ficando 72 atletas atrás de nós. Para nós que estamos habituados a ter 5 ou 10 ou vá lá 20 atrás de nós, não foi nada mau :)
Fui 22ª no meu escalão de entre 34.
E à Geral Fem fui 41ª entre 78.

Ficámos mesmo felizes por estarmos mais misturados no pelotão. 

Na semana seguinte fomos à Corrida do Mirante, mais uma prova de trilhos e mais uma aventura...a sério....tudo me acontece...só que desta vez veio com brinde ;)

À beira mar em Sesimbra.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Regressando aos trilhos com um optimo treino pela Serra de Sintra



Cerca de 1 mês após a Maratona de Madrid estava na hora do regresso aos trilhos. O próximo grande objectivo é a Rocha da Pena com os seus 50 km, subidas mega inclinadas e temperaturas muito quentes. 
As saudades de regressar aos trilhos eram muitas e embora duas semanas antes já tivéssemos estado a treinar em Monsanto, queríamos regressar à Serra de Sintra. E que bem que soube!

Se em Monsanto tínhamos feito um treino curto onde incidimos sobretudo no treino de rampas, agora queríamos um de 20 km.

Em Monsanto foi engraçado pois decidimos ir treinar para uma rampa que uma vez vimos o Helder Ferreira a fazer e a desatar a correr por ali acima. É uma rampa relativamente curta mas muito inclinada. Desta vez decidimos "atirar-nos de cabeça" para esta rampa. E até que não foi mau. Desatámos por ali acima numa passada firme e conseguimos subir aquilo numa passada razoável. O pior foi para descer...sim...porque queríamos treinar aquela subida mais que uma vez...portanto foi subir e descer, subir e descer, subir e descer...e o pior foram sempre as descidas...falta-me alguma confiança a descer. Mas foi um bom treino.

Melhor foi mesmo o de Sintra.
Foram 20 km sempre a subir até à Peninha, enganámo-nos no caminho a certa altura, descobrimos trilhos novos bem giros mas, apesar do nevoeiro, fomos lá dar na mesma :)
Depois de lá chegados começámos a descer, a descer e na descida cruzámo-nos com dois atletas, sendo que um deles nos reconheceu e nos deu os parabéns pelo blogue :) Obrigada nós e esperamos que tenhas tido um óptimo treino :)
Depois de fazermos aquela descida (entre 500 a 600 m) voltámos a subir...Objectivo: subir sem parar, podíamos ir devagar, mas não podíamos parar para descansar. E assim foi :)
Chegados lá acima...toca de descer tudo outra vez....ah pois é...íamos voltar a subir tudo outra vez...
Estamos a levar a nossa missão muito a sério!

Depois disto iniciámos a descida novamente até à Barragem do Rio Mula e entrámos na Quinta do Pisão onde explorámos um pouco mais do que das outras vezes que lá fomos correr. Adorámos!

Adorámos todo o treino! Sentimo-nos bem, o tempo também ajudou...
Foram 20 km de sensações fantásticas.

Fiquem com umas fotos:
















Bons treinos!

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Missão....Rocha da Pena

Sim...
Lá vamos nós regressar ao trail mais quente do ano...
Lá vamos nós regressar à prova que tem subidas com nomes como Subida da Morte ou Subida ao Inferno...
Sim...
Aquela prova que já desistimos por duas vezes...

Mas desta vez não havia como não ir...

Em Novembro recebemos um email...um email por parte da organização do UTRP...dizendo que leram o meu blogue, com os nossos reports das três vezes que lá fomos.
Passo só a citar algumas frases:
"Achamos que não faria qualquer sentido se não estivessem por cá em 2017 também!"
"Sabemos que o ditado diz: "a terceira é de vez", mas queremos contribuir de forma mais ativa para que concluam os 50Km's do UTRP!"
"Será para nós um prazer enorme testemunhar a vossa superação!"

Era um convite!!! E personalizado! Fomos brindados com as inscrições para "A" prova!
Aquela que não temos conseguido superar. Mas depois disto, este ano a história terá que ser diferente e estamos a trabalhar para isso como nunca trabalhámos.

Ficámos profundamente agradecidos por este convite e pela forma como foi feito. 
Claro que desta forma sentimos mais responsabilidade para terminarmos a prova. Por isso estamos mesmo a treinar como nunca treinámos antes :)

Grandes expectativas rumo à Rocha da Pena!

Muito obrigada aos organizadores do UTRP, a malta da ATR-Algarve Trail Running!!!
Vocês têm sido fantásticos conosco!
Vamos dar o nosso melhor pois vocês bem o merecem :)
Obrigada.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Corrida de Alverca, dura e variada

21.05.2017

Com uma corrida quase à porta de casa claro que não podíamos deixar de marcar presença.
Seriam 10 km por Alverca e com passagem pela pista de aviação, o que foi bastante interessante.
Para além disso iríamos reunir uns quantos elementos da equipa :)

João, Aurélio, Orlando, Luís, Marta, eu e Vitor.
Grande equipa! =)

Foi muito bom rever estes amigos em ambiente de festa.
A prova começou na zona da Malvarosa, em Alverca, com muita música e muito colorido.

Eu e o Vítor tínhamos planeado fazer um tempo à volta dos 54 minutos, o percurso era algo difícil por isso não havia pretensões de recordes. 

Começámos bastante rápido, demasiado rápido...mas depressa quebrei...Íamos nós com cerca de 4 km e comecei a perder gás, ainda nem tínhamos passado o viaduto para o lado da pista de aviação!
Ainda por cima o sol abriu e ficou bastante abafado. Já na pista, nem com 5 km, já o Vitor me ia a perguntar se estava tudo bem comigo, dado que reduzi substancialmente a velocidade. Não, não ia bem. Ainda por cima na pista, a céu aberto, ao sol e a correr em cima de alcatrão...ui...estava mesmo quente! Ainda apreciei a paisagem ao nosso redor, inclusive com dois aviões já meio abandonados. Depois iniciámos o regresso por uma zona de terra o que ainda fez com que diminuísse mais a velocidade e depois o ponto alto da corrida. Um voluntário muito alegre que dava força aos atletas, estendia a mão e dizia "Bate aqui se estás feliz!". Eu bati e não consegui evitar o sorriso. Ele disse logo "Ah afinal estás feliz!", portanto a minha cara devia mostrar bem o meu esforço...eheheh :) Mas a correr estou sempre feliz =)

No final ainda havia uma boa subida onde nos cruzámos com o Nuno Moreira, atleta e um dos organizadores da prova.

Cruzámos a meta com 56m03s. Um pouco abaixo das nossas expectativas iniciais, mas dado o calor e dada a quebra que tive a meio até que não foi mau de todo.

No final uma maçã e uns bolinhos. Mas os melhores foram mesmo os bolinhos que deram ao levantarmos os dorsais...Eu e o Vitor fomos buscar os dorsais numa 5ª feira a seguir ao jantar, antes de irmos para a cama já tínhamos comido os bolinhos todos....mhan mhan mhan...eram mesmo bons!!!

Foi uma boa manhã de corrida e foi muito bom rever estes amigos :)

Depois desta prova os treinos seguintes foram espectaculares!
Na terça-feira voltámos a fazer 10 km, desta vez em 58m40s. Em treino para nós é excelente! 
Na quarta fizemos um treino muito ligeiro de corrida e depois fomos treinar escadas, sobe e desce várias vezes, e no final vários exercícios de reforço muscular aqui por casa, abdominais, pranchas, agachamentos, etc
Na quinta mais 10 km e ainda mais rápidos que na terça, em 57m49s.
E para terminar a semana em beleza, um treino por trilhos. Mas sobre este treino faremos posteriormente um relato à parte ;)
Até porque há uma missão a decorrer... ;)

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Maratona de Madrid, a 8ª foi espectacular!

23.04.2017
Sorrisos que dizem tudo.

Foi assim que terminámos a nossa oitava maratona, com sorrisos de alegria e com um sentimento de orgulho. Foi mais uma viagem maravilhosa, desta vez em Madrid :)

A nossa viagem começou na sexta à noite na estação de comboios do Oriente. A ideia inicial era ir de avião mas uns meses antes já não haviam voos para sábado de manhã, assim optámos pelo comboio por nos permitir levantar e até caminhar um pouco se assim o quiséssemos. 
Não é muito cómodo e não dá para descansar muito, mas no dia seguinte já tínhamos planeado ficar a tarde toda a descansar no quarto de hotel.

Nesta maratona tivemos a presença do meu pai que, tal como eu, é um apaixonado por Madrid :)
Não foi conosco nem regressou conosco, mas tivemos juntos por lá e foi o nosso (e de muitos outros portugueses) maior apoiante ao longo da maratona! 

No comboio a caminho de Madrid.
Na estação de Chamartin com o comboio e as Quatro Torres atrás.

Chegados a Madrid já tínhamos o meu pai à nossa espera e fomos logo tomar o pequeno-almoço. Depois disto seguimos para o hotel e o meu pai foi passear. Depois de instalados fomos até à Feria de Madrid levantar os dorsais e almoçar à Pasta Party.

À porta da Feira.
Já com o meu dorsal.
E fiz questão de ir com uma t-shirt da minha terra: Oeiras :)
O Vitor com o seu dorsal.
Na zona da Pasta Party,

A Pasta Party não estava má mas comparada com a da Maratona do Porto ou com o esparguete à bolonhesa do meu pai...ui...ainda tem muitos km's que caminhar =P

Abaixo uma pequena exposição das camisolas de todas as edições da Maratona de Madrid. Esta foi uma edição especial, foi a 40ª!




Após levantarmos os dorsais e almoçarmos, fomos só ter com o meu pai para lhe darmos um mapa da maratona com as estações de metro mais próximas dos vários pontos do percurso e depois fomos descansar para o hotel onde aproveitámos para fazer uma siesta ;)
Acordámos só para jantar, preparámos as coisas para o dia seguinte e deitámos cedo. Eu pelo menos deitei-me porque houve alguém que só descansou depois do Sporting-Benfica ter terminado ;)

E chega então o grande dia. 

Não me perguntem porquê mas senti-me sempre descontraída nos dias anteriores à maratona, mas assim que chegou o dia....sentia o estômago às voltas. Tinha chegado o dia! Com 7 maratonas já há mais confiança mas o sentimento de ansiedade e nervosismo mantém-se sempre. Cada dia é um dia, cada prova é uma prova. E ainda por cima esta seria algo difícil devido ao seu traçado e também ao algum calor que se faria sentir. Mas, claro, íamos dar o nosso melhor! Temos sempre que ter em mente que é um privilégio correr e um privilégio ainda maior correr no estrangeiro, por isso há que aproveitar e viver cada segundo ao máximo.

Encontrámo-nos com o meu pai junto à Plaza de Cibeles onde seria a partida da prova.

O casalito prestes a correr a sua 8ªmaratona.
Com o meu pai vestido a rigor com a camisola do Benfica!
E ainda tinha um cachecol de Portugal!!! =)


Dirigimo-nos para o cajon 7, o nosso "cajon". Ora, a partida era no Paseo del Prado que é a subir desde a estação da Atocha até à Plaza de Cibeles e o cajon 7 era cá mais em baixo, já quase na Atocha. Resumindo, começámos logo a subir e no final esta era uma das partes que iríamos...subir.

Momentos antes da partida.
O cajon 7 no Paseo del Prado.

E então foi dada a partida! Começámos a andar mas devagar e com algumas paragens, já só mais acima, entre a Plaza de Neptuno e a de Cibeles é que começámos a correr e "a coisa" só começou oficialmente quando passámos o pórtico em Cibeles.
AI CA MEDO! Agora é que vão ser elas!

Os primeiros km's fizeram-se bem, apesar da ligeira inclinação. Aos 3 km, em Nuevos Ministerios, estava o meu pai a puxar por nós. Mais acima, passámos junto ao Estádio Santiago Bernabeu e já estávamos muito perto das Torres KIO onde o meu pai nos tinha dito que também estaria.

Estádio Santiago Bernabeu, o estádio do Real Madrid
A subir o Paseo de Castellana com as Torres KIO em frente
e ao meio e mais atrás as Quatro Torres

Chegados às Torres, ao km 5, a primeira subida da prova tinha terminado e nós mal déramos por ela :)
Quanto ao meu pai não chegara a tempo, fomos demasiado rápidos =P
No entanto ele estaria um pouco mais à frente à nossa espera, por volta do km 8 talvez:

ESPECTÁCULO!
O meu pai vestido a rigor!

Íamos agora numa zona que alternava zona plana com descida. Que bem que soube! Nalgumas descidas íamos a correr a 5 e poucos min/km. 

video

O ambiente era fantástico! Muita mas muita gente a apoiar! Os espanhóis fazem a festa toda! Como agora temos a bandeira portuguesa na camisola da equipa, alguns espanhóis diziam "Força Portugal!", alguns gritavam mesmo com alma e sentimento. Espectacular! É por isto que uma maratona será sempre uma maratona, não só pela distância mas por toda a festa que se vive.
E vimos uma coisa fantástica. Polícias a dar algumas garrafas de água a atletas!





Entretanto já íamos com cerca de 18 km e a passar junto à Puerta del Sol e a festa era incrível.
Para além de muita gente a apoiar, também havia várias bandas ao longo do percurso, ou não seja esta uma Maratona Rock and Roll :)

video

Ao km 20 corremos junto ao Palácio Real e passámos à meia-maratona com uma boa média, mantendo assim até daria para batermos o nosso recorde à maratona, mas sabíamos que os km's finais iriam estragar esta média. Mas isso no fundo era o menos importante, interessava era terminar e aproveitar bem a viagem :)

Pouco depois do pórtico da meia, talvez por volta do km 22 na zona de Moncloa, estava novamente o meu pai a agitar o cachecol de Portugal. Também ele neste dia fez quase uma maratona :) Andou de um lado para o outro, para nos apoiar em várias zonas. No final disse-nos que também para ele foi uma grande festa, pois vários portugueses quando o viam ficavam muito contentes ao ver o cachecol de Campeões da Europa! E também houve vários a gritarem pelo Benfica!!! =)

Depois de Moncloa começámos a descer em direcção à Casa de Campo, uma grande zona verde de Madrid. 


Casa de Campo

Já íamos com 20 e muitos km's e apesar de algumas zonas com sombras o calor fazia-se sentir. Aos poucos a coisa começou a custar um pouco mais mas ainda queríamos chegar aos 30 km com um melhor tempo que o nosso recorde. E assim foi, passámos no pórtico dos 30 km com 3h04m! E segundo os nossos relógios o Vitor fez 30 km em 3h02m48s! E eu em 3h03m12s!
Foi muito bom tendo em conta a dificuldade da prova com os km's iniciais ligeiramente a subir e com algum sobe e desce ao longo da prova.

Ao km 31 estava o meu pai e mais música, a banda sonora era a inevitável "Highway to Hell"! =)

video

Pouco depois estávamos a passar a ponte junto ao Estádio Vicente Calderón e a preparar-nos para a longa subida...

Estádio Vicente Calderón, o estádio do Atlético de Madrid

A subida era por etapas, lembro-me de uma curta mas inclinada, ali apetecia tanto andar um bocado...mas conseguimos resistir. Era praticamente inevitável caminhar a certa altura, mas pelo menos queríamos adiar ao máximo esse momento.

Já estava a custar mas o ambiente era incrível, a festa era fantástica. Só me apetecia sorrir apesar dos 30 e tal quilómetros nas pernas.
Estávamos quase a chegar à Atocha e ao km 37 e continuávamos sempre a correr, embora claramente numa passada mais lenta. Passámos por um atleta português, penso que da Póvoa do Varzim ou de Vila do Conde e demos-lhe força, mais à frente havia de ser ele a passar por nós e a dar-nos força :)
Ao longo da prova foram vários os portugueses por quem passámos e claro que houve sempre trocas de palavras. É sempre bom ver um português lá fora :)

Entrávamos agora na longa subida desde a Atocha até à Plaza de Cibeles, continuando depois ainda a subir ligeiramente pelo Paseo da Castellana, tudo sítios por onde passámos nos primeiros km's na prova. Sabia que ia acabar por andar, estava apenas a adiar o inevitável. Comentámos os dois que já nos apetecia tanto mas tanto começar a caminhar, mas por outro lado sentíamos que iríamos desiludir a multidão. Sim, na longa subida, ao km 37 e 38 havia imensa gente a fazer autênticos corredores de gente (quase que parecia à Volta a França), a gritar por nós, a gritar que éramos todos uns heróis, que já faltava pouco! Quem tinha coragem para começar a andar ali? Nós não!

E assim lá fomos correndo mas cada vez mais a arrastar-nos. A uns 100 m da marca do km 38 não aguentámos mais e teve mesmo que ser, caminhámos um pouco.

O problema de caminhar numa maratona é que depois de caminharmos uma vez, é certo que vamos caminhar mais vezes e assim foi até à meta. Ora corríamos, ora caminhávamos. Daí o termos adiado ao máximo. Mesmo assim foi o suficiente para perdemos minutos preciosos. Não tenho dúvidas que se a parte final desta maratona fosse plana tínhamos continuado a correr e até batido o recorde. Mas isso são pormenores porque numa maratona a festa vale por tudo!

A fazermos a festa já perto do km 40 =)

Mesmo depois de terminada a longa subida, ainda havia mais uma subidita ou outra. Nada de especial mas para quem tinha mais de 40 km nas pernas...Ufa! =P

Mas já cheirava a meta!
O lindíssimo Parque do Retiro estava já à vista!
Com 41 km e picos entrámos no parque, muitos voluntários, muita gente a gritar.
Tinha chegado aquele momento de emoções mistas. O momento em que por um lado ficamos aliviados por ter terminado, mas por outro temos pena que já esteja a acabar. É isto uma maratona, uma mistura de emoções que não dá para pôr em palavras. Por um lado alegria e entusiasmo, por outro sofrimento e dor. Adoro correr várias distâncias mas a maratona é aquela coisa que não tem explicação.
É muito mais do que apenas a "nossa" maratona, é também ver e sentir a maratona dos outros. Vermos a alegria nos olhos e sorrisos dos outros atletas, alguns correndo a sua primeira, outros já veteranos nisto. Ao mesmo tempo vermos coisas que nos tocam muito, como alguém de cadeira de rodas a ser empurrado e a certa altura, por volta do km 30, levantarem-no e ajudarem-no a dar uns passos na sua maratona. São momentos bonitos e tocantes. É isto uma maratona.
 
A uns metros da meta e já com a nossa bandeira nas mãos.

Aquele momento em que se avista o pórtico é mágico. 

4h34m20s depois cruzamos a meta!!!

Estamos super satisfeitos. Mais uma vitória. E com um excelente tempo para as nossas capacidades. Numa maratona com este traçado não é fácil fazer um grande tempo, mesmo assim consegui o meu segundo melhor tempo e o Vítor o seu 3º melhor :) E apesar das dificuldades, percurso duro e calor, fizemos apenas mais  11 minutos que o nosso recorde.

No final uma bonita medalha e o reencontro com o meu pai.


Foi um dia inesquecível e maravilhoso.
À tarde aproveitámos para desentorpecer as pernas andando mais uns km's pela cidade :)
Foram uns dias muito bons em Madrid. E a maratona...sem dúvida que a recomendamos.

Até à próxima aventura!

O casalito octo-maratonista, vestido com as t-shirts da prova,
junto ao símbolo de Madrid "El Oso e el Medroño"