terça-feira, 8 de novembro de 2016

Maratona do Porto, e já vão 7 =)

Os 4 ao km Orlando, João Lima, Isa e Vitor.
Com o Vitor e com o meu pai :)
Antes da prova.
Em plena prova, por volta do km 33 ou 34 era este o espírito que se vê no vídeo que se segue :)
Não sei se já alguma vez aqui escrevi no blogue, mas EU ADORO CORRER MARATONAS! :)

video

A uns metros da meta, de braços bem levantados tal era a alegria :)
Um pouco de zoom para se ver melhor :)

E como a maioria já sabe, mais vale dizer já que conseguimos ambos bater os nossos recordes pessoais :)  Foi espectacular! Toda a prova!
Relato completo um dia destes.

Coincidência das coincidências se olharem ali para cima para o sub-titulo do blogue hoje faz 5 anos que descobri que adoro correr. Lembro-me como se fosse ontem, sem qualquer planeamento consegui correr 45 minutos de seguida e fiquei super feliz. Iniciava-se nesse dia uma longa e bela paixão.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Maratona do Porto, rumo à sétima

Há dois anos atrás foi assim:


Nenhuma maratona é igual. Como irá ser este ano?

Pela segunda vez vamos participar na Maratona do Porto. Estamos ansiosos e entusiasmados.
Sabemos que treinámos mas claro que achamos sempre que podíamos ter treinado bem mais. 
Para além das provas que aqui relatámos e de alguns treinos longos que ainda fizemos no Verão, nestas ultimas semanas fizemos dois treinos longos entre provas.
No fim-de-semana seguinte à Meia da Moita partimos de mochila às costas junto à Ponte Vasco da Gama, o objectivo era um longo acima de 20 km, se nos sentíssemos bem quiçá ir aos 30 km.

Ponte Vasco da Gama.
Inicio do treino.

Logo de inicio passaram por nós estes amigos :)



Não se percebe bem mas os cães vão com as trelas ligadas à bicicleta e vai cada um no seu lado. Muito engraçados.

Seguimos o nosso caminho. 5 km, 10 km e nenhum de nós dizia nada. Continuámos em frente. Eu sentia-me bem e sentia que o Vítor também estava bem mas nenhum de nós se atrevia a dizer nada. Ia a pensar que se calhar devíamos arriscar ir até aos 15 km para depois sermos "obrigados" a fazer os 30 km. Por volta do km 12 ou 13 o Vítor finalmente falou e estávamos em sintonia :) Bora lá até aos 15 km e seja o que a nossa senhora das corridas quiser :)
Chegámos aos 15 km junto à Ponte 25 de Abril. Portanto foi um treino de uma ponte à outra ida e volta :)

Ponte 25 de Abril.
Pouco antes dos 15 km.

Sentiamo-nos bem, sentia que era hoje o dia de fazer os 30 km apesar de não estar bem nos nossos planos iniciais, mas mais valia despachar já este já que até nos sentíamos bem.
E...olhem despachámos :)
Foram 30 km com a segunda parte mais rápida que a primeira e com os 2 últimos km a serem os mais rápidos do treino :) 30 km feitos em 3h24m e com mochila às costas. Escusado dizer que ficámos super satisfeitos! Foi aquele treino que nos deu confiança novamente para a maratona, foi aquele treino que nos fez sentir porque adoramos correr. 

Uma semana depois fomos até ao Passeio Marítimo de Oeiras para mais um longo. Desta vez ficámo-nos por 20 km, visto que na semana anterior tinham sido os 30 e na semana seguinte seriam mais 20 em Almeirim. Começámos o treino junto ao Inatel em Oeiras, corremos até ao fundo do paredão da Praia de Carcavelos, depois voltámos tudo para trás e seguimos até ao fim do passeio marítimo em Paço d'Arcos e depois voltámos tudo novamente para trás até à Praia de Carcavelos e depois novamente para trás até Paço d'Arcos para depois voltarmos para trás e terminarmos junto ao Inatel de Oeiras. Foi um trajecto um pouco repetitivo mas foi um excelente treino para a Maratona do Porto que também tem uns quantos retornos. E também aqui conseguimos fazer a segunda parte mais rápida que a primeira :)

E agora?

AGORA VENHA O PORTO CARAGO!!! =)

E algumas músicas (muito variadas) para animar a malta e nos dar energia para o grande dia :)
Vamos começar pelos grandes The Who! "Who are you? Whooo?Whoo? Whoo? Whoo?"


E agora os Beatles. "Can't buy me looooove, looooove..."


E agora o vozeirão da Emile Sandé.


E para dançarmos um bocadinho a Taylor Swift. "Shake it offf, shake it offf."


E para terminarmos bem alegres vai esta música bem animada do Justin Timberlake :)



Vamos ali ao Porto correr uns quilómetros e já voltamos!
Até já amigos!

terça-feira, 1 de novembro de 2016

20 km de Almeirim, a rolar rumo à sopa da pedra... =P...pronto ok...rumo à maratona

30.10.2016

No passado domingo fomos até Almeirim para correr os 20 km de Almeirim, uma prova com um percurso bonito e que no final tem um agradável convívio à volta da sopa da pedra.

A uma semana da Maratona do Porto como é óbvio não podíamos estar a abusar, por isso desde inicio decidimos que seria uma corrida ligeira, apenas para rolarmos a ritmo confortável e assim foi.

Pequeno problema, chegamos a Almeirim, estacionamos o carro, saio do carro e...passado um pouco começo a sentir comichão nos joelhos e começo a ficar com os joelhos bem vermelhos. 
"Vitor, acho que estou com frieiras..."
Não me perguntem como mas consegui ter frieiras bem fortes num dia em que estiveram 30ºC...
E quando digo bem fortes, foram mesmo bem fortes, de repente já tinha nas mãos, nos cotovelos e nas coxas. Comichão por todo o lado! Só me apetecia rebolar no alcatrão a coçar-me. A situação estava preta, tive que colocar-me ao sol para o corpo aquecer, aos poucos e depois no decorrer da prova, a comichão começou a aliviar, mesmo assim hoje continuo com alguma comichão, embora bem menos aflitiva.

Depois de aquecermos fomos para a partida e às 10h começámos a correr. Os primeiros 5 km são feitos dentro de Almeirim e rolámos confortavelmente, depois saímos de Almeirim rumo à estrada nacional na direcção de Alpiarça. Fomos sempre a rolar embora ligeiramente mais rápido do que prevíramos, mas a verdade é que nos sentíamos bem e a correr sem qualquer esforço por isso deixámo-nos ir naquela velocidade confortável. Junto ao lago, em Alpiarça, fizemos o retorno e embora já fizesse bastante calor continuámos a rolar e ainda ultrapassámos dezenas de atletas que já iam a quebrar. No último km acabámos por nos entusiasmar e puxar um pouco mais, tendo sido o km mais rápido da prova.

Acabámos assim:

Prestes a cortar a meta.
Foto tirada do FB da prova

Foram 20 km feitos em 2h01m37s. O melhor de tudo foi termos feito estes 20 km sem grande esforço. Na próxima semana os 42 km não serão tão fáceis...digo eu... =P

A saborosa sopa da pedra.
Malta animada a dançar.
Selfie na festa dos 20 km de Almeirim.
É muito interessante conjugar uma corrida com um pouco de turismo, gastronomia e festa. Estas provas dinamizam muito as terras, trazem muita gente e muitas vezes os atletas ainda levam a família. Esta é especial pois no final há um agradável convívio no recinto de uma escola onde temos direito a sopa da pedra, sumos da Compal, uma caralhota (calma, é um pão!) e uma peça de fruta. Bem bom! =)

Ao que parece a próxima prova tem mais do dobro da distância desta....mas...VENHA ELA!

sábado, 22 de outubro de 2016

Meia-Maratona da Moita, com direito a foto com uma campeã olímpica

09.10.2016

Na semana a seguir à Meia da Vasco da Gama fomos até à Moita para mais uma Meia. Foram 4 meias no espaço de 30 dias. Foi bom para dar algum ritmo "competitivo" à "máquina".
Já tínhamos feito esta Meia há 2 anos e gostámos muito, ainda tem uma zona ou outra com sobe e desce e tem uma altura em que passamos numa zona de campo.

Este ano regressámos novamente para mais um treino rumo ao Porto.

Os 4 ao km presentes: João, nós e Eberhard.

Entretanto estava eu a sair da casa de banho de um café e vejo o João e o Vitor muito entusiasmados. "Vá, anda rápido a ver se ainda apanhamos a Fernanda Ribeiro para tirarmos uma foto com ela!"
Han? A Fernanda Ribeiro? Oh minha nossa senhora das corridas!

"A" foto.
Com a grande campeã Fernanda Ribeiro =)

Se antes da prova a temperatura estava bastante amena e mal se via o sol, quando começou a corrida o sol surgiu de trás das nuvens e ficou bastante abafado.

Até começámos bem, a um bom ritmo mas antes dos 10 estava a ir-me abaixo e de que maneira!

Nos 1ºs km's, sorridentes.
Foto tirada pelo Joaquim Adelino.

Fui bem até perto dos 10 km, depois o ar abafado e as pernas repentinamente mais pesadas fizeram-me quebrar e ter aqueles típicos pensamentos destas alturas. "Se estou a quebrar numa meia aos 10 km, como raio vou aguentar correr 42 km???", "O melhor é dedicar-me ao sofá, isto de correr para mim não dá." 
Tadita, estava mesmo mal. Felizmente essa maleita temporária já me passou e na semana seguinte seria completamente posta para trás graças a um super treino de 30 km :)

Durante a prova ainda foram uns 3 ou 4 km bastante sofridos mas depois comecei a sentir-me melhor e os últimos km's já foram feitos novamente num ritmo melhorzinho.

No último km, sorridentes :)
Foto tirada pelo Joaquim Adelino.
Sequência de fotos da nossa chegada à meta.
Dá cá a mão.
Pronto, pronto, não batas, toma lá a mão =P
Agora tenta fazer um ar de quem fez isto na boa...ihihih...
(claramente o objectivo não foi atingido)

E lá terminei a minha 21ª meia-maratona, a ? meia do Vítor. E se contei bem, foi a nossa 15ª meia-maratona a dois. Acabámos com 2h05m32s, o meu 9º melhor tempo. 

E agora uma coisa muito importante....
.....
.....
estão sentados?
.....
.....
TENHO O BLOGUE EM DIA!!!! =)

Está oficialmente actualizado, já não tenho provas em atraso. Ufa, custou mas consegui. Tem sido uma maratona actualizar o blogue desde Maio...Maio!!! Estamos quase em Novembro mas finalmente consegui. 

Agora venha daí a Maratona do Porto!

domingo, 16 de outubro de 2016

Meia-Maratona da Ponte Vasco da Gama, o recorde ali tão pertinho...

02.10.2016

Foram precisos 4 anos para regressar à meia onde me estreei.
Foi aqui que a 30 de Setembro de 2012 me estreei na distância da meia maratona. Na altura fiz 2h32m39s. Agora fiz abaixo das 2h :)

Foi engraçado ter regressado ao local da minha estreia para completar a minha 20ª meia-maratona. 
20 meias! Já é um número respeitável :)

Encontrámo-nos bem cedo com os restantes 4 ao km no Parque das Nações.

4 ao km presentes nesta corrida:
Vitor, Isa, João Lima e Eberhard.

Apanhámos o autocarro para a partida que fica em plena Ponte Vasco da Gama, uma ponte que é sem dúvida bem bonita e com uma vista fantástica.




O autocarro ainda demora uma meia hora a chegar ao local da partida, pois tem que fazer a ponte toda até ao fim e depois dar a volta para nos deixar já para lá de meio da ponte. 


Estes rapazes parecem muito pensativos...
aposto que vão todos a pensar nas tácticas a adoptar... =P
Um grupo animado de franceses.
Vimos muitos estrangeiros nesta meia e claro que a maior parte do pessoal a apoiar durante a corrida eram estrangeiros. Eles fazem a festa toda :)

Tinha grandes expectativas para esta corrida. Na semana anterior tinha batido o meu recorde aos 10 km, agora queria pelo menos aproximar-me do meu recorde à meia e quiçá batê-lo.
Começámos bem, a uma média boa, gosto sempre de passar os 2 ou 3 km, porque só aí é que posso ficar descansada que já não me irão aparecer dores de gémeos ou de canelas. Chegámos facilmente aos 5 km e passámos aos 10 em bom ritmo para o recorde, embora fosse um pouco à justa.
O retorno seria por volta dos 12 km, foi mesmo nessa altura que o João passou por nós a bom ritmo e me deu um força, acreditando que eu conseguiria bater o meu recorde. Sim, porque o recorde do Vítor já é uma coisa mais à frente, o menino já fez 1h43m03s...O meu é 1h58m52s.
Mais ou menos nessa altura tive uma ligeira quebra que durou uns 3 km, depois recuperei e siga que eu ainda quero perseguir o recorde. Todos nós que corremos sabemos que uma das coisas que dá mais gozo é o esforço por um recorde, o perseguir aquele tempo. Independentemente de o batermos ou não, é um gozo enorme irmos a dar o máximo para tentarmos bater aquele tempo e foi exactamente assim que me senti durante esta corrida. Ainda por cima estava a ser muito renhido, km 16, 17, 18, 19 e eu sempre a acreditar, embora soubesse que tinha muito pouca margem.

Já na zona do Parque das Nações continuámos a acelerar e continuei a acreditar embora já me fosse a custar. 

Quase a chegar à meta, a acelerar na esperança de bater o meu recorde.


Fizemos a curva para entrar na longa recta da meta, olhei para o relógio e ao ver o quão longe ainda vinha a meta e vendo que ainda por cima o meu relógio ia dar 21 km e uns 200 m  percebi que já não dava. O mais frustrante é que ia ficar tão perto... Ainda soltei um palavrão antes de cortar a meta.
Ao cruzar a linha da meta vi o meu pai nas bancadas a assistir e cortei a meta de mão dada com o Vitor. Fizemos 1h59m16s. O meu recorde, relembro, é 1h58m52s. Ali tão perto...



Acabadinhos de atravessar a linha da meta.
O meu pensamento era "Porra, como é que deixei escapar o recorde?"

Apesar de alguma frustração por ter deixado escapar o recorde por tão poucos segundos, a verdade é que só temos que nos orgulhar, pois foi o meu 2º melhor tempo em 20 meias-maratonas e foi a 2ª vez que baixei das 2h. Isto promete, o recorde não anda longe :)

No final o habitual gelado e a bonita medalha, ainda tirámos uma foto com o meu pai mas está no telemóvel dele.

Foi uma excelente prova, senti-me bem, o Vitor também. Andamos a correr bem, a sentir-nos soltos e é uma sensação muito boa sentirmo-nos assim tão bem a correr.

Na semana seguinte havia nova meia-maratona, a da  Moita (para ter o blogue em dia só me falta um relato!!!!!!!!!!!!)

Foto tirada pelo meu pai que nos fez uma surpresa na meta

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Corrida do Tejo, o inesperado e muito saboroso recorde

25.09.2016

Quando uns dias antes da prova o meu pai me envia uma mensagem a dizer que o almoço de domingo será esparguete à bolonhesa e que me está já a dizer para ver se eu corro mais depressa, eu nunca pensei que fosse de facto resultar.
É que o esparguete à bolonhesa do meu pai é o melhor do mundo :)

No dia da prova acordámos cedo e fomos deixar o carro a Oeiras, onde nos encontrámos com o João e apanhámos o comboio até à zona da partida em Algés.

Chegados a Algés encontrámos logo os companheiros de equipa e mais alguns amigos. O meu amigo Carlos também estava presente, esta ele nunca perde. 
Esta prova é bastante especial para mim, de certa forma e sem eu saber foi aqui que tudo começou. Ainda eu não corria, e estava longe de imaginar o que viria a correr, fiz esta prova maioritariamente a caminhar com o meu amigo Carlos por duas vezes. Foi também aqui (já eu corria) que bati o meu recorde pessoal da altura e baixei pela 1ª vez da hora! Mal sonhava eu que este ano estaria aqui a bater novamente o meu recorde pessoal.

Os 4 ao km presentes:
Vitor, eu, Orlando, João, Conceição (na vertente caminhada) e Aurélio.
Com o meu amigo Carlos.

O meu pai ainda foi ter a Algés de comboio e ficou na plataforma a ver a nossa partida.
A partida foi dada, a habitual enchente com muita gente. Começámos a correr e o Vítor arrancou logo a puxar por mim. Achei aquilo um ritmo um bocadinho alto para mim mas segui colada a ele dentro dos possíveis. Entretanto o Orlando e o Carlos seguiram e o João ainda se manteve conosco nos primeiros 2 km mais ou menos, Na zona da Cruz Quebrada, quando começamos a subir para o Alto da Boa Viagem, o João olha para mim e comenta que o Vítor vai com a pica toda, eu respondo alto e bom som para o Vitor me ouvir que vamos a uma velocidade demasiado rápida para mim e acrescento a seguinte frase "Pessoal, eu não vim aqui hoje para bater recordes, ok?" Eheheh, mal sabia eu =)

Entretanto o João seguiu e eu lá me aguentei colada ao Vitor, com ele sempre a puxar. Eu olhava para o relógio e "sabia" que não conseguiria aguentar aquele ritmo até ao fim, nunca antes o havia feito. A continuar assim iria bater o meu recorde pessoal...hoje não era o dia...ou seria...?
Em Caxias avistámos o meu pai que tinha saído do comboio só para nos apoiar e depois o apanhou novamente até Oeiras.

Eu sabia ter feito média de 5.16 na Corrida Luzia Dias, aqui os primeiros 5 km foram estes:

5.20
5.10
5.28
5.02
5.06

3 km abaixo de 5.16 e 2 km não muito acima de 5.16. Quando cheguei a meio da prova fiz os meus cálculos e sabia que se me mantivesse assim conseguia bater o meu recorde pessoal. Comecei a acreditar, embora não soubesse se conseguia manter aquele ritmo. Surpreendi-me a mim própria e não mantive aquele ritmo...superei-o! Superei-me a mim própria e foi um sentimento espectacular!

Eu andava para aí desde Junho ou Julho a dizer que sentia as pernas leves, prontas para novos recordes e neste dia isso confirmou-se. Sentia as pernas super leves, a sensação era fantástica, sentia-me a voar. 

Já se avistava a meta, sabia que seria muito difícil o recorde escapar-me, só tinha que ir lá à frente à rotunda junto à Praia de Carcavelos e dar a volta para cruzar a meta na minha terra natal.

A meta estava ali tão perto. O meu anterior recorde pessoal tinha sido em Novembro do ano passado na Corrida Luzia Dias onde fiz 53m09s. Aqui ia fazer claramente na casa dos 52 minutos! Por momentos ainda sonhei em chegar na casa dos 51, mas rapidamente vi que já não dava. Pouco importava, ia bater o meu melhor tempo aos 10 km! Cruzámos a linha de meta com o tempo de chip de 52m11s!!! 58 segundos a menos que o meu anterior RP!!!!!!! =) FOI BRUTAL!

É que ainda por cima acabei bem, sentia-me bem, cansada claro, mas bem. Senti que se de inicio tivesse tido menos receio e mais confiança até podia ter aqui feito na casa dos 51 minutos. Senti-me mesmo bem :)

Os últimos 5 km foram às seguintes médias, ou seja, ainda fiz a segunda parte mais rápida que a primeira:

5.07
5.16
5.07
5.13
4.59

Se já achava que de inicio estava a puxar bem, como raio ainda fui eu desencantar esta força extra? Não sei, só sei que fiquei mesmo feliz e o mais importante: corri feliz.

Obrigada meu Vitor por acreditares em mim e puxares tanto por mim :)

A umas centenas de metros da meta o Vitor olha para o relógio.
Um último esforço para o grande momento.
Segundos depois de ter batido o meu recorde pessoal.

Chegados à meta logo vemos o João, o Carlos e o Orlando. Cada um tinha feito a sua prova, mas ambos tinham acabado com tempos parecidos, na casa dos 51 minutos.
Estávamos todos de parabéns.

Pouco depois estávamos junto do meu pai prontos para o esparguete à bolonhesa =P

Junto ao rabo da baleia onde nos encontrámos com o meu pai.
Com amigos e companheiros da equipa Run Lovers.

Foi um recorde muito especial por vários motivos:
1º porque não estava nada à espera,
2º porque foi aqui que me iniciei nas "corridas" ainda em versão caminhada,
3º porque foi aqui que pela primeira vez baixei da hora aos 10 km,
e 4º porque foi na minha terra, Oeiras :)

Que mais se pode pedir?

Ah já sei, um brutal esparguete à bolonhesa! ;)

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Meia-Maratona do Porto, bonita mas sofrida

18.09.2016

Estando nós a preparar a Maratona do Porto, pareceu-nos uma excelente ideia irmos ao Porto fazer a meia-maratona, uma vez que o percurso até tem algumas zonas em comum com o da maratona.
O percurso até era plano, quiçá bom para tempos. E já agora aproveitávamos para passear um pouco, embora sem abusos para poupar as pernas para domingo.

Chegados ao Porto no sábado à hora de almoço:

Estava uma delícia! ;)

A seguir ao almoço aproveitámos para dar uma voltinha no centro, na zona da Avenida dos Aliados e na Rua de Santa Catarina. De seguida fomos pôr as malas ao hotel. Desta vez resolvemos experimentar o Pack Atleta, este pack encontrava-se no site da prova. Tinham parcerias com alguns hotéis, com direito a late check-out até às 15h (o que permitiu que lá fossemos tomar banho depois da corrida) e transporte para a partida e da meta de regresso ao hotel :) Espectáculo! Era isto mesmo que queríamos :)
Depois de instalados fomos levantar os dorsais à zona da Alfândega, estava bastante calor, o que fazia prever uma meia igualmente quente e assim foi.
Estamos nós a passear na feira da corrida quando damos de caras com o stand da loja do casal de atletas Susana Simões e Telmo Veloso. Para quem não conhece são um casal que tal como nós também correm ambos, a diferença (pequena....) é que eles correm muito mais muito mais rápido =P. Estão essencialmente dedicados ao trail onde já subiram a pódios diversas vezes. Mais recentemente ela foi a 1ª portuguesa a cortar a meta no Ultra Trail Mont Blanc e 13ª feminina à geral. Ele foi o 3ª português a cortar a meta e 29º à geral. 
Não podíamos deixar passar a oportunidade e metemos conversa com eles, a conversa acabou por durar quase meia hora! Muito simpáticos :)

Depois de levantados os dorsais fomos passear ao espectacular e enorme Parque da Cidade. Não deu para ver tudo pois no dia seguinte havia a meia. Foi mais ou menos por esta altura que comecei a ficar com cólicas e a sentir-me mais fraquinha, mas não liguei muito.  Mas quando fomos jantar continuava com cólicas e comecei a sentir-me quente, estava com febre! Disse logo ao Vitor que tínhamos que ir a uma farmácia, se não tomasse nada no dia seguinte não estaria capaz de correr a meia. Que chatice! Que azar!

Fomos cedo para o hotel para descansarmos e entretanto comecei a sentir a febre a baixar. Já as cólicas levaram-me à casa de banho umas quantas vezes. No dia seguinte logo veria como me sentia mas queria pelo menos tentar correr.

No dia da prova acordei sem febre mas ainda com dores de barriga, com muita pena minha tive que me controlar ao pequeno almoço :( E era daqueles muito variados que apetecia comer tudo...Depois do pequeno almoço os atletas juntaram-se todos à porta do hotel para apanharmos o autocarro até à meta e daí apanharmos outro autocarro até à partida.

Rio Douro.
Foto tirada na zona da partida.
Pórtico da partida.

Tenho um 8 no dorsal! =)
É sempre motivo de alegria para mim pois nasci num dia 8 no ano 88 =)

Antes da prova lá fui eu para a fila da casa de banho. Esperava que fosse o suficiente para me aguentar durante a prova.

Ah é verdade, já me esquecia! Se na Corrida do Avante estreei os meus ténis novos, na Meia do Porto estreei um relógio novo! =) Antes tinha um muito básico que deu o berro e já estava há uns 2 meses a correr sem relógio. Estava mesmo a precisar de um novo e a escolha foi o Garmin 230, exactamente igual a este abaixo :)
Até agora estou a gostar dele, mas ainda não explorei bem todas as potencialidades do relógio.

Resultado de imagem para GARMIN 230

Vamos então ao relato da corrida. 
Começámos a correr nas calmas, eu com algum receio devido ao dia da véspera. O percurso é de luxo, sempre junto ao Douro.




Ao chegarmos à Ponte D. Luís I estava lá a Aurora Cunha a dar "hi-5's" aos atletas e nós também fomos dois felizes contemplados :)
Ao atravessar a ponte aconteceu uma coisa super estranha, de repente parece que o piso foi abaixo. Pensei que estava a ter tonturas e o Vítor até deu um jeito na zona do joelho, que lhe provocou uma dor durante uns 2 km. Foi uma situação muito estranha e mais atletas "queixaram-se" da ponte "ir abaixo".

Corremos na margem de Gaia até à Afurada. Eram muitos atletas e como na vinda já vinham os mais rápidos, o percurso era um pouco apertado para tanta gente, apesar de plano não me parece ser um percurso fácil para quem queira tentar bater recordes, pois as ultrapassagens são difíceis. Passámos várias vezes pela equipa mais representada na prova, uma equipa vinda da Holanda com mais de 400 atletas! E também passámos pelo amigo Isaac que também tinha ido ao Porto fazer esta bonita meia.

Tentei dar o meu melhor mas com o calor a apertar comecei a quebrar e calor com cólicas não é coisa que costume resultar bem. Foi já depois dos 10 km que de vez em quando me davam algumas dorzitas incómodas mas pelo menos não sentia que precisasse mesmo de ir à casa de banho.
Depois psicologicamente também foi um bocado chato termos que voltar tudo para trás da Afurada até Vila Nova de Gaia e depois passar novamente a ponte e virar em direcção à partida para só depois dar a volta e começar finalmente a correr em direcção à meta. 
Entretanto, e para piorar as coisas, o Vítor começou também com algumas dores de barriga...boa...agora éramos dois...
Os últimos km's  já foram bastante custosos, fizemo-los quase a arrastar-nos, inclusive com alguns passos a caminhar. Só queria acabar aquilo rapidamente. As dores não eram incapacitantes mas eram bastante incómodas e as pernas também já não tinham muita vontade.

Lá cruzámos a meta da minha 19ª meia-maratona em 2h12m36s. 
Pior que nas Lampas que é só sobe e desce! Mas tendo em conta a febre e as cólicas já foi uma vitória conseguir terminar.

No final lá estava o autocarro à espera para nos levar até ao hotel. Correu tudo bem com a experiência "pack atleta".

Gostámos muito de ir até ao Porto fazer esta meia, é pena não termos podido desfrutar devidamente do percurso tão bonito mas claramente recomendamos :)
Quando lá voltarmos é para fazer aquela coisa com 42 km....Medo...

p.s. Estou bem encaminhada com a minha "promessa" de pôr o blogue em dia até ao final do mês  :)
Ainda não vamos a meio do mês e já escrevi 4 relatos e só me faltam 3:
- Corrida do Tejo
- Meia Vasco da Gama
- Meia Moita